quinta-feira, 21 de junho de 2012

Uma jornalista entre os portuários


Na iniciativa privada, Marta trabalhou na consolidação do Paço Alfândega




Antes de seu desafio à frente do Porto do Recife, Marta Kümmer coordenou o Projeto Tacaruna, da Secretaria estadual de Educação, com o objetivo de implantar uma escola profissionalizante na antiga fábrica de tecidos. “Infelizmente, esse projeto não saiu devido a algumas questões burocráticas”, comentou. À época, a secretaria era comandada por Danilo Cabral (PSB), um dos nomes de Eduardo Campos para a sucessão municipal no Recife.

Na iniciativa privada, a jornalista trabalhou na consolidação do Paço Alfândega e foi franqueada da Schutz, sofisticada loja de sapatos que também funcionou no shopping. Após essas experiências, a jornalista, servidora pública concursada, voltou ao setor público. “O meu órgão de origem era a Sudene, que não existia mais. Então, pedi transferência para o Ministério da Cultura.”

Discreta, evita falar de sua vida pessoal. Lembra que na faculdade conheceu muitas pessoas que hoje estão na política partidária. A sua aproximação com tanta gente influente, hoje, ocorreu devido ao casamento (já encerrado) com o empresário Alvaro Jucá, irmão do senador Romero Jucá (PMDB-RR), este ex-líder dos governos Fernando Henrique (PSDB), Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT).

Atualmente, a jornalista está solteira, mas “comprometida”. Vaidosa, caminha entre os corredores da estatal de salto alto, batom vermelho nos lábios e exalando seu perfume predileto, Poême, da francesa Lancôme.

“Da atuação como jornalista, ficou o bom senso, o conhecimento da realidade e a empatia, de se colocar no lugar do outro”, afirma ela, que é mãe de dois filhos, um com 21 e o outro com 19 anos.

Marta iniciou a sua vida profissional como repórter da TV Jornal/SBT, onde ocupou também a função de produtora. Com pós-graduação em administração de marketing, Marta recebeu o JC na semana passada sempre bem-humorada. Mas, a todo momento, tentava falar sobre o que mais a empolga no momento, o projeto Porto Novo, que passou a acompanhar desde janeiro do ano passado. Mas ela também comenta os números e metas do terminal, que deve chegar a uma movimentação de 3 milhões de toneladas de carga este ano.




Um comentário:

  1. Gosto de Marta, muito competente e foi minha colega na Sudene. Boa Sorte para ela.

    ResponderExcluir